Ciclo menstrual pode atrasar após vacina contra covid, aponta estudo

  • MUNDO -
  • 07/01/2022
  • 2687 Visualizações
img

Mulheres vacinadas contra a covid-19 experimentaram um leve atraso, de quase um dia, em seu ciclo menstrual, em comparação com as não vacinadas, aponta um estudo financiado pelo governo dos Estados Unidos e publicado nesta quinta-feira.


 


O número de dias de sangramento, no entanto, não foi afetado, concluiu a pesquisa. A autora principal, Alison Edelman, da Universidade de Ciências e Saúde do Oregon, disse à AFP que os efeitos são pequenos e devem ser temporários.


 


O leve aumento na duração do ciclo menstrual não é clinicamente significativo. Qualquer mudança de menos de oito dias é classificada como normal pela Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia.


 


Os cientistas analisaram no estudo dados anônimos de um aplicativo de acompanhamento da fertilidade entre mulheres de 18 a 45 anos que não usavam contraceptivos hormonais.


 


Duas mil e quatrocentas participantes foram vacinadas, a maioria com a Pfizer (55%), seguida da Moderna (35%) e da Johnson & Johnson (7%). Foram incluídas para comparação cerca de 1.500 mulheres não vacinadas.


 


Entre o grupo vacinado, foram colhidos dados de três ciclos menstruais consecutivos antes da vacinação e de mais três ciclos consecutivos, incluindo o(s) ciclo(s) em que a vacinação ocorreu.


 


Para as não vacinadas, os dados foram colhidos por seis ciclos consecutivos. - Resposta imunológica à vacina - Em média, a primeira dose da vacina foi associada a um aumento de 0,64 dia na duração do ciclo menstrual, e a segunda dose, a um aumento de 0,79 dia, na comparação do grupo vacinado com o grupo não vacinado.


 


A resposta do sistema imunológico à vacina pode estar por trás da mudança.


 


"Sabemos que o sistema imunológico e o sistema reprodutivo estão relacionados", explicou Alison. 


 


Fonte: Uol



Parceiros